História da Segurança do Trabalho

Conheça a importante história e origem da segurança do trabalho no mundo e no Brasil e entenda sua importância nos dias de hoje.

Entende-se Segurança do Trabalho como um conjunto de práticas a serem adotadas visando minimizar as ocorrências de acidentes envolvendo o trabalho e doenças ocupacionais. A principal finalidade da segurança do trabalho é manter a integridade física do colaborador, assim como sua capacidade de trabalho.

Para que consigamos entender melhor a história da Segurança do Trabalho é importante nos atentarmos as datas.

Há informação de que os estudos da segurança do trabalho são feitos desde 384.322 a.C. Aristóteles estudava as enfermidades dos trabalhadores das minas e, consequentemente, a forma de evita-las. Considerado o pai da medicina, Hipócrates, também foi responsável por estudar os tipos de enfermidades apresentadas pelos mineiros.

Trazendo o assunto um pouco mais para a atualidade, no século XVII, na Itália, o médico Bernardino Ramazzini publicou o livro “De morbis Artificium Diatriba” – As doenças dos Trabalhadores. Após a publicação, que descreve uma série de doenças ocasionadas por cerca de 50 profissões, Ramazzini foi considerado o Pai da Medicina do Trabalho.

Acidentes e mortes no ambiente de trabalho

Com a chegada da Revolução Industrial na Inglaterra, entre 1760 e 1830, surgiam as máquinas a vapor. Galpões, velhos armazéns e qualquer lugar que coubessem algumas máquinas eram chamados de fábrica. No entanto, crescia o número de acidentes e mortes durante o trabalho.

Por conta da ausência de processos seletivos capazes de diagnosticar possíveis doenças dos colaboradores, homens, mulheres e crianças adoeciam constantemente.

História da Segurança do Trabalho

Primeira lei de proteção aos trabalhadores

O parlamento britânico aprovou a Primeira Lei de proteção dos Trabalhadores em 1802. A lei estabelecia tornava obrigatório o direito de saúde e moral de aprendizes: “Estabelecia o limite de 12 horas de trabalho por dia; proibia o trabalho noturno, obrigava os empregadores a lavar as paredes das fábricas duas vezes por ano e tornava obrigatória a ventilação do ambiente”.

Posteriormente, em 1833, foi baixado o “Factory Act” – Lei das fábricas, considerada a primeira legislação eficiente no âmbito da proteção ao trabalhador.

Sendo assim, em 1919, depois da Primeira Guerra Mundial, acontecia a conferência da Paz, onde foi criada a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a única das agências da ONU que possui estrutura tripartite, baseada na justiça social, onde os representantes dos trabalhadores e dos empregadores tem o mesmo direito que os do Governo.

Segurança do trabalho no Brasil

No Brasil, a chegada da Revolução Industrial aconteceu um pouco tarde, mais ou menos em 1930. Por conta disso, 40 anos depois, o país era um dos que registrava mais acidentes e mortes por trabalho no mundo todo.

Com a criação da FUNDACENTRO, em 1966, foi possível obter conhecimento necessário para promover a segurança e medicina do trabalho no país. A missão era propagar o desenvolvimento sustentável por meio do crescimento econômico, equidade social e proteção do meio ambiente.

A evolução da segurança do trabalho começou depois da instauração do regime CLT, durante a gestão do então presidente Getúlio Vargas, em 1943. Posteriormente, foi criada a Lei 8213, responsável pela regulamentação dos planos de benefícios, como a Previdência Social.

Em 1978 foram criadas as Normas Reguladoras, que formam um conjunto de procedimentos de realização obrigatória para promover a segurança e saúde de trabalhadores. O cumprimento dessas normas é obrigatório em todas as empresas.

Entender mais sobre a história e origem da segurança no trabalho é muito importante, pois esta é uma luta diária que todos precisam se atentar mais para preservar o que há de mais importante: a vida!

Autor

Rafael Lobo

Fundador e sócio-diretor na Conceito Zen, Bombeiro Civil com aperfeiçoamento em Segurança do Trabalho, Técnico em Massoterapia e vencedor do Prêmio Reconhecimento Senac, atua desde 2008 com palestras e atividades voltadas para SIPAT e Qualidade de Vida no Trabalho.

Comentários

  1. João Damasio :

    Acho preocupante com esta conversa que anda ventilando pelas redes sociais, sobre a intenção de acabarem praticamente com as NR e consequentemente se extinguir com a função de Técnico em Segurança, fico imaginando como ficaria desprotegidos os nosso colaboradores, penso ser um verdadeiro absurdo, pois teremos muitos acidentes bem como muitas mortes no trabalho.
    Não seria necessário tirar direitos trabalhistas para criarem empregos, não obstante a reforma trabalhista que recentemente foi votada e nada se melhorou muito pelo contrario piorou vocês não acham ?

    • Rafael Lobo :

      Olá João. Tudo bem?

      Minha sincera opinião é que não devemos dar ouvidos a boatos, principalmente de redes sociais, onde o histerismo toma conta.

      Até o momento, (04/10/2019) não vi e nem li nada OFICIAL a respeito de se “acabar com qualquer NR ou direitos trabalhistas”.

      Por este motivo, eu continuo fazendo o meu trabalho e focando no que realmente eu posso mudar.

      Abraços,
      Rafael

  2. Fabiano Luiz Noll :

    Esse artigo foi postado que dia?

    • Rafael Lobo :

      Olá Fabiano.
      Este artigo foi publicado em 05/06/2018.

      Abraços,
      Rafael

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado – Campos obrigatórios estão marcados com *

História da Segurança do Trabalho - Conceito Zen