Perigo X Risco: Qual a Diferença?

Identificar a diferença entre perigo e risco é muito importante para que sua empresa saiba exatamente como eliminá-los e proporcionar um ambiente muito mais seguro.

É muito importante explicar o conceito de risco e perigo no ambiente de trabalho. Eles estão presentes no nosso dia a dia dentro de nossas empresas, independente do cargo que se ocupe.

É claro que, em termos de segurança do trabalho, é essencial que todas as pessoas que fazem parte de uma companhia saibam o que são esses conceitos, além de aprender a diferenciá-los e evitá-los.

São muitas as profissões frequentemente relacionadas com perigo e riscos, como a área de construção civil, ambientes hospitalares e de sistema elétrico. No entanto, são diversos os trabalhos que convivem diariamente com situações perigosas, até mesmo os que não transparecem.

Hoje em dia, proporcionar um ambiente de trabalho seguro e saudável para todos os funcionários deve ser prioridade da administração. Para isso, identificar quais casos configurar perigo ou risco de trabalho pode ser de grande ajuda.

Homem segurando capacete de segurança no trabalho

O que é perigo de trabalho?

Quando uma situação é considerada perigosa, significa que ela tem o potencial de causar uma perda ou uma fatalidade. Dessa forma, qualquer cenário pode apresentar um perigo. Passar por uma tempestade, andar em um local perigoso, consumir um produto além do prazo de validade… Todas essas situações configuram um determinado grau de perigo.

No trabalho, dentro de uma empresa, o perigo está presente quando pessoas que não são habilitadas para operar máquinas são delegadas para fazer essas tarefas, por exemplo. São todas as situações que podem causar algum tipo de acidente.

O que é risco de trabalho?

Quando falamos em risco de trabalho, estamos relacionando-o a um evento ou situação que é potencialmente perigosa. O risco gera consequências às pessoas envolvidas quando são expostas a um perigo.

Os riscos se conceituam como quedas, ferimentos, acidentes, danos. Um funcionário que não está habilitado a trabalhar com determinadas ferramentas pode causar danos materiais à empresa, estragar a máquina ou até causar ferimentos em si mesmo ou nos outros.

Leia Também: Diferença de Insalubridade e Periculosidade

E agora, o que fazer?

Ao conhecer os conceitos de cada um desses termos, é possível compreender o que eles podem fazer com a sua empresa e como evitá-los. Os riscos podem ser previstos, por isso é importante trabalhar com ferramentas para minimizá-los ou eliminá-los do ambiente de trabalho.

Com um técnico de segurança, será possível identificar quais são as situações de perigo e avaliar quais os riscos que elas podem causar. Dessa forma, serão pensadas em medidas para evitar maiores prejuízos.

Além disso, a empresa deve colocar em prática todas as normas e políticas de segurança laboral. O uso de equipamentos de proteção individual, os EPIs, é uma grande ajuda na hora de minimizar os riscos de acidentes de trabalho.

A função principal dos equipamentos de proteção individual é proteger os empregados enquanto estão operando máquinas ou ferramentas industriais que podem causar algum dano.

É importante lembrar que a prevenção contra perigos e riscos de trabalho é responsabilidade de todos os funcionários da empresa. Debater as situações de risco, procurar por soluções e manter as estratégias de segurança é essencial para toda a equipe, além da conscientização diária.

Autor

Rafael Lobo

Fundador e sócio-diretor na Conceito Zen, Bombeiro Civil com aperfeiçoamento em Segurança do Trabalho, Técnico em Massoterapia e vencedor do Prêmio Reconhecimento Senac, atua desde 2008 com palestras e atividades voltadas para SIPAT e Qualidade de Vida no Trabalho.

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado – Campos obrigatórios estão marcados com *